sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Quantas cabriolas!

De ponta cabeça!

Em uma nova fase!

S a l t i t a n d o por aí!


"A minha idéia, depois de tantas cabriolas, constituíra-se idéia fixa."
Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Campeando

Procuro no escuro do meu quarto.
Nos papéis que em seguida descarto.
Nos livros que leio.
Nas taças de vinho que me levam ao devaneio.
Onde está a bendita consciência
Que insiste de mim fugir?
Haja paciência!



- Como diz a música: "ando meio desligada, eu nem sinto os meus pés no chão"!

sábado, 12 de dezembro de 2009

Aqui dentro

Nem sei mais o que quero!
Tem algo aqui no meu lado de dentro,
Que balança com o vento.
Parece que sofro a contento!
Estão as lágrimas para mim,
Como as estrelas para o firmamento?

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Do que vem vindo




Eu estou ficando com uma sensação.

Penso nisso noite e dia.

Me alegra sentir esse misto de calmaria e euforia.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Colapso

Este dia um tanto nublado.
A vontade súbita de apagar todos os escritos, todos os mails.
O impulso de sumir sem deixar rastros para ninguém.
Ver no que dá um ato de insanidade total.
O pior é que nem para isso resta corajem!

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Mais um de amor


Hoje eu sei a resposta para muitas daquelas perguntas sobre ti que tanto me perseguiam. Sinto em mim uma nova conciência. Tu me ensinastes isso e tantas outras coisas. E aqueles momentos de ontem foram especialmente lindos. Eu te senti como alguém tão pleno e feliz! Vi isso na tua fala, no teu sorriso, nos consolos e no total empenho de me convencer de minha própria competência. Te amo por que te amo, e é um amor tão puro, que jamais será entendido pelos outros. Estou radiante com nosso lindo e pouco convencional amor!

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

[De]codificando


Algo de novo em seu semblante.
Um brilho inquietante.
A felicidade é coisa certa.
Quantas descobertas.

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Leve arrepio

Essa manhã nublada e cinzenta.
Esse arrepio que há alguns dias em mim surgiu.
Será o prelúdio de uma paixão?

segunda-feira, 16 de novembro de 2009

Ritmo dos meus batimentos

O contato que nem sempre é com o tato,
Hoje também me anima.
O que mostra que de fato já virou amor maduro.
Talvez não mais tão puro, como era no início.
Mas é certo que mais seguro.
Já que quando acordo, causa sorrisos.

Do amor que liberta.


Aquelas fotos que lhe emocionaram silenciosamente por tanto tempo, foram enfim compartilhadas. Houve então uma confissão: agora não era somente ela que olhava para as fotos e divagava antes de dormir. Nunca sequer havia sonhado em ouvir uma confissão daquelas, vindo de quem vinha. Tudo aquilo era de fato impressionante! A alegria nos semblantes denunciava o preponderante!

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Tanto

Talvez por que não acreditava que poderia sentir tanto amor, de forma tão pura.
Por certo tempo, pensava de fato, que nunca chegaria a sentir isso,
Sem esperar nada em troca, sem egoísmo.
Sempre esperara tanto da outra parte.
Dessa vez houve tempo para tudo.
Passou pelas fases egoístas também,
Mas chegou a um ponto onde suas próprias vontades davam preferência as do outro - daquele outro.
Atingira também um equilíbrio, em que a euforia do amor total já era mais branda.
Amava de forma mais tranqüila e segura.
Não precisava sofrer mais por provas de amor.
Elas vinham de forma espontânea e lhe deixavam surpreendida.
Não imaginava que chegaria a tanto.
Não imaginava que seria tanto.
Era agora muito maior do que antes.
Praticamente nada condenava.
Apenas amava, e agora de forma mais racional.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

O presente!

Hoje não lhe trago nada.
Nada além do meu sorriso.
Nada além da minha alegria de viver.
Nada além da liberdade que sinto em mim crescer.

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Lunática

A música que chacoalha, me faz feliz.
A sensação de liberdade que independe do resto do mundo, me deixa sentir.
A certeza que eu tenho, não me permite desistir.

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Mútuas projeções


Apaixonante inquietude essa que percebo em tua voz, em teus movimentos.
A aflição dos teus olhos me revela nosso futuro.
Quando divides tua angústia comigo, ela passa ser muito mais minha do que tua.
Tu me acalmas e eu te aclamo.
Nossos planos nos proporcionarão muitos e belos vôos.
Nossas expectativas hão de se concretizar.
Por que eu te amo e tu me amas.
O elo agora já está feito.
E nenhuma das circunstâncias pode com ele arrasar.
Estás para mim, assim como estou para ti.
Isso se pode sentir!
100º post!

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Aflição total

Sensação que parece matar aos poucos.
Medo do não.
Pavor da decepção.
Irritabilidade dominante.
Tenebrosa angústia dilacerante.
A dor que arranca pedaços.
A fragilidade e abandono total.
Não queria mais me permitir ficar assim.
Mas quando se trata de um desejo assim fatal,
Nada parece banal.
Não há como segurar.
Será que vou suportar?

ANGUISH!

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Fluídos românticos

E no meio da multidão,
Estava você!
Então nada mais importava.
Minh’alma saltava do peito
E o efeito era alucinante.
Os sentidos se aguçavam.
Parecia poder viver apenas de amor.
Estava então completa e plena.
Por alguns segundos a vida parecia
Ser um lindo poema!

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Confusões psíquicas

Pavor físico.
Desejo abstrato.
Toda aquela paz que ela tinha,
Vira cinza com o orvalho de manhãzinha.
Percebera que é de dentro da sua mente que se passa isso.
O silêncio intriga.
O imensurável valor de algumas coisas que só tem sentido para ela.
O sopro que balança os cabelos.
A sensação de liberdade que faz calar todas as inseguranças.
As impressões que ofuscam sua racionalidade.
As emoções que vem brotando ritmicamente.
E as lágrimas que caem quase que involuntariamente.
A bebida passa dominar aquele corpo.
O bar vira palco para tantas coisas externar.
Ali uns jogam, outros bebem, se beijam, riem e choram.
Ela nem sabe o que faz.
A bebida entra e deixa o mundo ao redor dela girar.
E de repente, num tropeço o pavor retorna.
Já não mais comemora.
Talvez seja hora de parar.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Das energias do âmago

Insiste.
Arquiteta.
Bola planos infalíveis.
Aposta que pode dar certo.
E é por não desistir
Que vem a credibilidade.
Embora talvez a casca não denote
Existe uma força que é irrevogável!
Parece ser além da própria vontade
Vai e voa longe.
Acredita na sua verdade!

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Aquela ventania

Pode-se dizer que andou ultrapassando as fronteiras de si mesma.
Os encantos das palavras ditas no cotidiano da convivência.
A sensação de liberdade e felicidade que veio quase de graça.
A calma, para racionalizar o medo.
Calaram-se as vozes que amedrontavam.
Isso lhe reportava a muitas coisas.
Era aquela sua força que ressurgia!
As palavras não formavam apenas um jogo.
Eram a prova do diálogo das almas em sintonia.

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Imprevissões de dentro dela


Uma tarde de calor.
Uma vida em seu conjunto de emoções, histeria e apatia.
Estava sentindo-se absurdamente estranha.
A brisa que sentia do lado de dentro, causava vertigem.
O verde escurecia e o frescor era estonteante.
O clima primaveril trazia novas ânsias.
Clamava por socorro.
Mas talvez não quisesse que a socorressem.
Ouvia apenas o que o seu ouvido escolhia.
Mas ainda acreditava na sintonia que insistia pensar existir.
Alienava-se em seu mundo particular.
Doía menos ficar por lá?

sábado, 3 de outubro de 2009

À meia luz


Campo de batalha sua mente.
A taça de vinho que segurava firme
Permitia que visualizasse seu reflexo
Era distorcido e sem sentido.
Não entendia o que dizia a música que ouvia.
Mas estava em sintonia com alguém que de pronto, sempre lhe extasia.
Pensava em desbravar o mundo.
Aprendia e com a mesma velocidade, se esquecia.
Estava tomada por um desejo que era maior que ela.
Não se conhecia.
Entorpecia-se com vinho.
E merecia o que vivia.

sábado, 26 de setembro de 2009

Reflexo

Sem justa causa.
Por capricho mesmo.
Sem retilíneos movimentos.
É assim que ela ama os seus amores.
Mas tudo vem de forma tão livre.
E não tem medida.
Ora sente-se derrotada...
Ora sente como se tivesse enfim se descoberto e compreendido.
Fica a chuva fina, a ventania e as trovoadas
Deixa pelo caminho alguns pedaços.
Que expressam sua dor, sua intensidade, seu amor.
Segue sem controle.
Nem ouve mais, tudo são rumores.

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Angústias primaveris

Acordada de olhos fechados no silêncio da madrugada.
Confusa e entorpecida pelo cheiro de flor que surgia não sabia de onde.
Os pensamentos e os sonhos se misturavam.
A postura por segundos era invertida.
E quando vira, já era dia de novo.
A primavera trazia a ânsia por vida.
Não podia mais ficar ali, entristecida.
Decidira então jogar os cacos para o alto e reconstruir-se.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Sem sinal

Onze horas de uma manhã de sexta-feira chuvosa.
Se mágica existisse, conseguiria escapar da rotina diária dos mesmos insistentes desejos.
A lua não tem aparecido.
E algumas circunstâncias a deixam prestes a tomar decisões impulsivas.
Nem a primeira, nem a última.
Ela deixa voar e quer, pelo menos por instantes, olvidar.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Coisas de borboleta...

Havia coisas que nem ela própria conseguia acreditar.

Beliscava-se, cutucava-se durante os referidos acontecimentos.

Os segundos que ficou sozinha no ambiente, não aguentou e algumas lágrimas chorou.

Eram fortes, mornas e salgadas.

Precisou recompor-se rapidamente.

Estava tão confusa sua mente.

A borboleta acompanhava tudo.

E era personagem da música doce que cantarolava.

Assim mais um capítulo escreviam.

Quanto mais viviam, mais se envolviam.

E os fatos já se confundiam.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Suposições na penumbra

Se deixasse ainda mais claro.
Se mensurasse a amplitude daqueles momentos.
Se jurasse que não é apenas uma cena.
Se enfim pudesse provar que tinha agora uma força exímia.
É claro que ainda assim não se faria compreender...

sábado, 5 de setembro de 2009

Das razões e emoções

A luz da lua refletia no chão do apartamento. Atirada nas almofadas apenas vagava. As palavras ecoavam na mente e ela já não mais dominava seus pensamentos. Surgiam impulsos de pular, correr e gritar, sair por aí sem destino. Não cabia em si e não tinha freio que a segurasse.

Às vezes parecia uma miragem. Tudo era então diferente, parecia eterno de tão intenso e cada palavra tinha um sentido forte. Estava imbuída de um desejo de revolucionar. Mas permanecia fiel as suas novas grandes convicções.

Nem podia acompanhar as revoluções de sua própria mente. Arquitetava muitos vôos e acreditava piamente que a força de seu pensamento e a vontade que por horas parecia um tormento, lhe levariam para longe, para onde a concretização de seus sonhos se daria. Na memória carregava as emoções vividas e rebuscadas. Tinha o amor e a sede de chegar lá.

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Ilha de questionamentos


O existencialismo tem permeado sua mente.

A angústia de viver e a inquietação perante as situações com que a vida a confronta, pulsa.

E a incompreensão dos sonhos noturnos provoca reflexões jamais conhecidas.

Talvez ainda esteja surpreendida com seu próprio novo jeito de ser: inconstante.

Mas algumas coisas não mudam.

E é hora de sentir o que o tempo é capaz de fazer.

sábado, 29 de agosto de 2009

Foram tantas as vezes que retornara feliz, mas com uma insegurança indescritível. Na despedida, embora houvesse um “até logo”, sentia como se um pedaço seu tivesse indo embora, sendo levado, arrancado de si.

Agora, pela primeira vez estava feliz e tranqüila. Talvez o sentimento tivera amadurecido.
E era tão boa a sensação. Estava aprendendo a ir e voltar. Algumas lágrimas ainda caiam, inevitável isso, tinha essência emotiva. Mas agora caiam acompanhadas de um sorriso iluminado, que denunciava seu atual momento. Os outros não compreendiam, mas quem de fato importava a amava, e isso bastava.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Da vida dela

Parece que está levando a vida que quer.
O que e quem ela possui, parece ser o bastante para viver feliz.
Os sonhos e devaneios não perderam o espaço em sua vida.
Mas está aprendendo a se acalmar e a levar a vida simplesmente.
Talvez essa calma venha da segurança que tem sentido ultimamente.

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Poetinha

Quanto mais leio,
Mais quero escrever.
Está virando mania.
Parece doença a corromper.

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

LEVEmente

Eram diversas as sensações.
Estava crente em si mesma.
Sorria sem motivos claros que justificassem.
Cantarolava qualquer coisa pelos cantos.
As palavras que lia naquele instante,
Tocavam profundamente .
Ela tinha uma essência sensível.
Cada coisa tinha um encanto diferente.
Sentia um êxtase,
Uma razão de ser.
Liberdade era pouco para descrever o que sentia.
Podia voar.
Tinha plena convicção disso.
E o que possuía bastava.
Era pretensiosa,
Mas estava em um estado de espírito,
Que nem imaginava um dia chegar.
Por hora nada mais era necessário.
Flutuava sem sair do lugar.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Palavras ao vento

Às vezes parece que não é mais possível separar a realidade da imaginação e do que se encontra na dimensão do desejo.
Há uma busca por explicação e coerência que ocupa muito do tempo.
Os fatos ocorrem e passam e nada parece estar a contento.
Talvez chuva.
Talvez vento.
Cada célula a escrever um soneto.
E os olhos apesar de sinceros insinuam ainda guardar um grande segredo.
O mistério de tudo a volta instiga.
A paixão parece ter sofrido mutação.
Dentro da cabeça há uma pulsação.
Que agita.
Confusão mental.
Que resulta em mais uma crise existencial.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Adoçado com carinho

"Estou hoje perplexo, como quem pensou e achou e esqueceu.
Estou hoje dividido entre a lealdade que devo
À Tabacaria do outro lado da rua, como coisa real por fora,
E à sensação de que tudo é sonho, como coisa real por dentro."

[Trecho de "Tabacaria" - Poesia de Álvaro de Campos - Fernando Pessoa]

É como se Pessoa tivesse escrito minha alma.
Ganhei o livro das Poesias Completas de Álvaro de Campos.
O mais incrível é que não conhecia e já sinto como se estivesse lendo minha própria alma.
Grandes e mais identificações.
Talvez o segredo esteja no fato de dispensar o açúcar comum e adoçar tudo com carinho e sensibilidade.

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Apenas poesia na casa vazia

No silêncio da casa vazia sentia-se sozinha.
Andava de um lado para o outro sem saber o que fazer.
Buscava algo para passar o tempo e amenizar a angústia que pulsava em seu peito.
Histeria.
Estava totalmente vazia.
Teve vontade de gritar para arrancar o que lhe corroia.
Por vezes considerava-se ridícula.
Ora se contentava com tão pouco...
Ora nada era o suficiente para fazê-la feliz.
E pensava...
Será que viveria eternamente dependente e descrente?
Insegura, imatura.
Mais um dia se fazia.
O vento soprava.
E nada acontecia.
O telefone tocara.
Grandes fantasias.
Apenas poesia.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Incoerência na essência

Talvez ela não se reconhecesse mais. E a angústia era proveniente dessa sensação de não saber mais quem era. Ela buscava explicações nas leituras de Psicologia, nos romances simples, nos versos dos poetas, nas conversas com seus íntimos. Pensava até em meditação.

Suas sensações e sentimentos pareciam fugir totalmente de seu controle. Sentia algo que se parecia com medo. Buscava incessantemente por respostas e acalento. Será que ninguém podia ajudar?

Tinha um fogo em suas mãos e dentro de si, parecia sentir desapego. Desapegada a tudo. Será mesmo? Ou talvez fosse justamente o contrário. As antíteses e as hipérboles sempre foram suas companheiras. Questionava tudo agora. Tudo lhe soava falso.

Até o que se passava dentro dela parecia invenção. E talvez fosse.
Não sabia se estava amadurecendo ou retrocedendo. Eram sinais que ela não conseguia captar.
Não havia nem lágrimas para chorar!

Penumbra

Sentia agonia
apatia
doia.
A porta fora fechada
permanecia
calada
chocada.
Foi dormir
se iludir
sucumbir.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Cruel despertar

Se o coração agora de leve pulsa
E a alma já está enfadada
Algo se perdeu no caminho
Cansou-se também de esperar
É hora de viver
Parar um pouco de sonhar.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Espera a esperança

[Foto: detalhe do Museu Frida Kahlo - Casa Azul]

Não há promessa que não iluda.

Não há resposta que satisfaça.

Há impaciência e aflição na espera.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Existe?!

Rose procurava agora, encontrar a solução para tudo, em paz.
Ela estava de fato extremamente envolvida pela Psicologia.
Não leve a mal. Estava mental.
Pensamentos e sonhos estranhos surgiam em sua mente.
Questionava extremamente.
A procura do seu eu.
Ela descobria muitas coisas.
E descartava tantas outras...
Emocionava-se, ainda chorava.
Os números não eram nada.
O exato definitivamente, ali não imperava.
E a lua era a eterna testemunha, que a partir de então, se impunha.

sábado, 8 de agosto de 2009

Chove LÁ FORA

Foto: Águas de agosto, por Vanessa.

Choveu forte ontem e continua chovendo.
E em meio a nebulosidade, ganhei de fato a lua de presente.
Eu gritei. Eu falei o que quiz. Não chorei.
Fechei os olhos, apertei-os.
Luz nos olhos, mesmo numa noite chuvosa e nebulosa.
Lá fora, a lua irradiou e elevou.
Quase a alcancei.
Mas sabemos que o céu parece ser, de fato, o único limite.
"Hoje: vintever."
Parece!

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Verso incerto

De tudo um pouco.
Quando o olho brilhou, entendi.
Quando me encontrei, me perdi.
Sorri, que o mundo segue seu caminho.
Já esqueci.
Os olhos revelam.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Fases e faces

Ela ri e às vezes também sorri.
As coisas tomam proporções que assustam levemente.
Mas é susto bom esse.
Ela vai lutar e cantar o que lhe encanta.
Ah... esses lugares que reacendem o que há nas profundezas.
E nem se explica.
Se recita.
Força peculiar esta que acompanha o meu pulsar.
E se aplica.
Emociona.
E retoma.

(A língua portuguesa formal talvez se decepcione com essa maneira de escrever. Por vezes torna-se inevitável. Mas a licença poética perdoa e logo entoa um grito de defesa ao longe a ressonar. É impossível não rimar. A rima te irrita? Desculpe, mas ela me encanta. E canta...)

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Descompassado equilíbrio

(Foto: Vanessa H. e a geada em Bom Jesus)
Os mil pedaços de idéias estão sendo espalhados por esse vento, que hoje balança lá fora e dentro de mim. As leituras têm ocupado praticamente todo o meu tempo livre (4 livros, simultaneamente!) e meus pensamentos também. Retomei também nesse recesso o gosto de ficar com as letras e com meus pensamentos – sem compromisso formal e cobrança intelectual (que geralmente vem de mim mesma). Estou retornando para meu mundo particular. Cada vez mais imersa nele e em mais alguns poucos mundos que me foram abertos e hoje são vitais.

E o que era vital há um ano atrás, parece agora não ser mais. Talvez eu nem saiba mais distinguir... O gelo me remete a pensar. O frio no contexto interno atual, vem balizar.
Neste ano, posso sentir o aroma agostino de forma diferente a me envolver.

Ela cresce, parece!

sábado, 1 de agosto de 2009

Aos "insípidos"

E vão se admirar
Os que a virem passar
Acompanhada novamente de quem só a faz desviar (!)
É isso que estão a pensar?
Os olhos parecem desaprovar.

Ensina a refletir, a viver.
E ela quer se espelhar
Encontrou uma referência.
A troca legitima.
Cúmplices, elas não irão se abandonar.

E o mundo quer logo interpretar.
Amizade de verdade.
"Carga de inteligência e emoção que cruza os caminhos"
"Va, as pessoas não entendem"
E para quê explicar?

*

quinta-feira, 30 de julho de 2009

Insistência




"A alegria que me dá, isso vai sem eu dizer"




Idéias que insistem na cabeça e hão de acontecer!




Amontoado de lembranças.




Posts curtos, simplificando o que há do lado de dentro.

quarta-feira, 29 de julho de 2009

Fica a satisfação que vem do âmago de minha alma.
Existem momentos que parecem me fazer sentir completa.


"Combati o bom combate... guardei a fé"

terça-feira, 28 de julho de 2009

E pulsa...

(Foto: Plaza de los Toros - Colonia del Sacramento - por Vanessa H.)
Por que há uma força que revigora, encoraja e se faz escudo.

E segundo os astrólogos:

"Possui grandes sonhos, altas aspirações e força de vontade. Sua determinação, espírito de competição, vitalidade e entusiasmo lhe impulsionam para conseguir tudo o que quer. Seu coração é romântico e nobre, e o amor dramático e colorido - de certa forma, até extravagante."

Há o que impulsiona!

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Mentalizando


(Obra: Esferas, Salvador Dali)

O enigma da energia mental.
É isso. Uma aliada.
Quem duvida, é doido!
Concentração.
1
2
3
...
Ai dos que substimam!
Por motivos óbvios: eu sei!

quinta-feira, 23 de julho de 2009

Alento que acalenta

(Foto de Vanessa H.)
Canta e canta...
A respiração denuncia a tranqüilidade, aparentemente fugás.
E a sombra já não assombra.
Paz, equilíbrio sagaz.
Voraz, ela assim se refaz.
Silencia.
As lutas cessam.
Ela ouve a voz.
E canta...

domingo, 19 de julho de 2009

Intensificando

INTENSIDADE: o resumo de tudo!
(Foto de Vanessa H. - MHVSL)
Pouco entendem!
E o que importa? Talvez também só importe quem entenda!

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Evasão

Só tem graça o que mexe lá no fundo e provoca ebulições.
E só tem graça quem também precisa de uma ebulição para viver.
Tem coisas que quero aprender sozinha, sentir sozinha.
E tem coisas que quero ouvir dos outros, mas não de quaisquer outros.
Às vezes preciso ir só.
Às vezes preciso que me acompanhem, mas sem dó.
Palavras se fazem desnecessárias.
E o segredo está em compreender e sentir-se bem num silêncio compartilhado.
Tempo...
Pensamentos oriundos.
Concordância.

Estou lendo "Uma vida inventada", de Maitê Proença.
Fica a dica.

;9

quarta-feira, 15 de julho de 2009

No controle (!?) do compasso

Mais alguns dias gelados de sensações e confirmações que povoam certas mentes.
Telefonemas e mails vão e vem de forma compassada.
Combinações impulsionam mais e mais.
Essência rítmica, telepatia, loucura pela boa narrativa e tantas outras coisas...
Parte do que Vanessa vive e inventa!

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Armazenando

Pouco a pouco de forma irregular, vou tentando com as palavras me expressar.
Busco no risco e rabisco, o grito abafar e simbolizar.
Não me basta pensar, falar e chorar.
As energias recarrego.
Os prantos descrevo, não nego.
A alegria mostro, é instantânea, peculiar.
Os destroços busco juntar.
E a interrogação está sempre presente, a questionar.

Escrevo e cantarolo.
O tempo vai passar...

sexta-feira, 10 de julho de 2009

Rememorando



Doces lembranças.
Espaço de memória.

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Ciclo

Nenhuma resposta satisfaz.
Não há paz.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Frescores

Paranóia.

Arroubos de juventude.

Guardei.

E explicação nenhuma isso requer.

Estou tranqüila.

Incompreensível assim.

domingo, 5 de julho de 2009

O quarto

O quarto que era um universo particular.
Acompanhara tantos surtos de angústia, dor, satisfação.
Ele encobria o individualismo que, por vezes parecia ser peculiar a tal criatura.
Ah: se ele pudesse falar.
Refúgio, testemunha ocular.
Passivo e ativo: sua função era abrigar.
Sem voz, se colocava a vigiar.
Ele guardava e suportava os arroubos de juventude daquela que se punha a pensar com toda a intensidade que é possível imaginar.
Não há mais o que falar.

Cânticos ao longe a ressonar

O convite ao silêncio subentendia-se.
E não era incômodo, fazia-se necessário.
As revelações vinham pouco a pouco.
E a fantástica arte de observar encantava, era inevitável.
As diferenças e circunstâncias exigiam cautela.
Não era possível externar.
E para quê externar?
A subjetividade amedrontava.
Era tempo de férias.
Tempo de pensar.
Tempo de escrever.
Tempo de tempo (para si e para os outros).
Viver, arriscar, aquietar, sentir, desafiar.
Dança do pensamento.
No compasso do vento.
Mera impressão ou verdadeira razão.
Ainda e sempre a questionar!

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Teoria da evolução?

A prova já passou.
A angústia foi junto.
A bebida aportou como comemoração.
A galera se reuniu.
Que zoação.
Arriação, besteiróis e bolinhas de papel.
O dia amanheceu em paz.
E como é bom ser acordada pela manhã com um telefonema agradável.
Motivo: como você está? / Combinado então?
E o sol irradia seu brilho lá fora.

O final de semana?
Promessas.
Bom vinho.
Boa culinária.
Risadas.
Descobertas.
Museologia
Cultura.
Amizade.
Carinho.
Cumplicidade.
Amanhã é sexta-feira.
E eu estou disposta.
Eu sou, eu fui, eu estou, eu vou!

You?

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Dos pensamentos pintados, bordados e cantarolados.

Um tanto assoberbada e transtornada por tudo o que trabalhara e estudara nas últimas semanas.
Ainda um pouco preocupada com a última prova do semestre, nesta noite.
Consciente de que ainda deve estudar quando em casa chegar.
Cansada de responder perguntas, atender telefonas com a tradicional-especifica saudação imposta e de cumprir prazos e metas.
Satisfeita com o lindo dia de frio, sol e céu azul.
Levemente confusa com sonhos intrigantes.
Contente com algumas notícias que aportaram.
Confirmação de algumas suspeitas.
Individualista, impaciente e exigente.
Inquieta.
Mas daqui a pouco, lá pelas 22h se vai boa parte da agonia que lhe cerca.
A paz reinará.
E a sexta-feira chegará.
A expectativa e alegria já se anunciam e estão prestes a chegar.

Vanessa escreve com gana e emoção, pois a final de contas: não pára de sonhar.
Ela vai chegar!

terça-feira, 30 de junho de 2009

Das surpresas que surgem e ressurgem




Não digo que não me surpreendi!

Ah... as surpresas!
Adoro surpresas.

Grata pelos presentes da alma.
Grata pelas compensações.
Grata pelas minhas pessoas.

Estou feliz e isso deve ser registrado.
É isso que realmente importa!

"Una musica dulce se ha tocada solo para mi..."
(Volare - Gipsy Kings)

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Irreal ideal

Saída de emergência.
Válvula de escape.

Há quem viva com elas sempre acionadas.
Onde estão as minhas?

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Cultura agora. Cultura para sempre.

Qüinquagésimo post!
Para marcá-lo, trago alguns elementos que tangem a relação entre os assuntos que mais me encantam: Turismo, Cultura e História.

Aaah o Turismo...
Ele não se esgota em si mesmo, estabelece uma rede de relações, trabalhando com uma interdisciplinaridade, na tentativa de realizar sonhos, suprir expectativas e bem atender.
Trabalha-se assim com sonhos, representações, imaginários, fetiches, sensibilidade, etnicidade, repetições, significados. Fatores diretamente ligados a Cultura e a História.

E isso aflora em mim a sensibilidade, a emoção, a satisfação: como num romance ou num poema, possibilita a re-criação de elementos (como tão bem coloca a autora Maria Bernadete Ramos Flores, em um de seus textos).

E por que não relacionar tudo isso às outras duas áreas que me intrigam e encantam: Literatura e Psicologia. Tudo interligado. Voltamos à questão da interdisciplinaridade!

"É que nesta viagem pela hiper-realidade, as fronteiras entre o real e a ilusão se confundem" (Flores, 1997). Neste blog então... nem se fala!

E eu amo tudo isso. É sobre isso que quero "monografar". É com isso que quero trabalhar.
E lá vem a emoção começando novamente a aflorar!

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Cacos e revés

Foco nos objetivos acadêmicos.

Etapa desafiadora da capacidade de concentração.

Estabelecimento de relações entre o passado e a atualidade.

Projeções para um futuro ainda mais desafiador.

A história continua e promete novidades e aprendizagem.

Opto por deixar para trás alguns cacos de mim e espero que os pacotes que chegarão nos próximos meses, sejam envoltos em fitas de cetim, e imbuídos de satisfação nas cores júbilo e compensação.

Nem sei o que estou fazendo aqui parada.

E está difícil desvencilhar-me de meus poemas tortos e desalinhados.

¡Te lo juro!

Mas para quê?

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Delineando

As águas lhe levam para longe.
Para lugares que até então não conhecia.
Permitem vivenciar sensações e momentos novos.
E a vontade incontrolável e avassaladora de gritar pulsa.
As conversas e confissões ao pé do ouvido do travesseiro lhe fazem bem.
O reflexo no espelho já lhe causa certo estranhamento.
São tantas opções em seu cotidiano.
Como não perder o foco?
E como não focar demais e acabar esquecendo de todo o resto.
Ela aprendeu em suas aulas de Sociologia que o todo é maior que a parte.
Mas às vezes surgem os questionamentos.
Parece uma inversão temática.
E ela já começa a divagar...

Representações. Imaginário.

Mas o que importa?
Será mesmo que importa?
O que é o essencial?
Ah, no fundo ela bem sabe!
Mas o fundo fica lá em seu lugar, no íntimo, e talvez nem o travesseiro não o conheça.
Apesar das instigações, dúvidas e aparentes certezas, sente-se praticamente completa e equilibrada.
Parece que encontrou deveras seu eixo.
Objetivos traçados.
Está correndo atrás.
Medo?
Que medo?
Está vivendo.
E vivendo intensamente, aprendendo a controlar.


segunda-feira, 15 de junho de 2009

Dos marcantes aromas de momentos e seres.

Hoje quero falar sobre os aromas. Como eles são tão marcantes e significativos em minha vida...
Dos meus cinco sentidos, tenho certeza de que o olfato é o mais apurado.
Os objetos, os momentos, as angústias, as alegrias e principalmente as pessoas, têm cheiro.
Acho incrível como a casa de cada pessoa tem um cheiro. E quando ela traz algo de lá, o objeto vem com cheiro, que fica impregnado e carregado de lembranças. E digo isso não apenas como força de expressão, ou num sentido figurativo. Realmente noto isso.
Nada como abraçar uma pessoa querida e ficar com o cheiro dela. E me refiro aqui não somente a cheiro de perfume industrializado, ou sabonete comprado. Refiro-me a cheiro de gente, que é peculiar a cada ser. Incrível como eu tenho meu cheiro, assim como tu tens o teu, que nada nem ninguém no mundo tem igual.
E existem aquelas fragrâncias que, independente de que local ou circunstância que eu estiver, trazem lembranças de angústia. Têm aquelas que rememoram ansiedade, como por exemplo, um perfume que tenho. Sempre que uso ele, lembro-me de dias em que estava me arrumando para algum acontecimento que esperava a tempo, ou que prometia me trazer muitas alegrias.

Medo. Angústia. Ansiedade. Desejo. Afinidade. Alegria. Vida. Pessoas. Amor.
Eles despertam tanta coisa...

E o que me dizes?
Deixe aqui teu aroma!

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Rabiscos

Camisas para o frio.

Botas para o lodo.

Vinho para aquecer o corpo.

Máquina para registrar os fatos.

Serra.

Salto para o futuro.

Das verdades inventadas.

Longe da casa do interior.

Metáforas.

Inconseqüências e discrepâncias da juventude veloz.

terça-feira, 9 de junho de 2009

Tenteando

Coisas impregnadas no código genético: não há como fugir.

Quero uma capa invisível.

Efeitos de final de semestre + outros besteróis.

domingo, 7 de junho de 2009

100 razão

E a lua entra no carro.
O frio é levemente dissipado.
A alegria parece plena.
Mas não é como outrora.
Soa mais sensata agora.
Compreende-se cada hora.
Suportando sem demora.
Irreal, nervoso, precioso, lento.
O grito que aflora.
Belo encontro, vem de dentro.
O convite não se deteriora.
E no ar: absoluto aroma de fina flor.
Graça, luz, precioso amor.

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Desatinos de uma quinta qualquer...

"Quiero todo y nada medias"

Talvez esse seja o problema.
Ou será a solução?
Os extremos!
A propósito, o frio é inspirador: oferece sensação legítima de estar vivo.
Ah o arzinho gelado no rosto...

Fase de liberdade.
Fase de iluminação.
Um motivo concreto?
Será mesmo que importa?
Possivelmente seja uma fase de encontros também.
É revelador e animador encontrar-se consigo mesmo!

I DON'T FORGOT!
I BELIEVE!

terça-feira, 2 de junho de 2009

Sol somando

O sol que aquece.

O sol que ilumina.

O sol que envelhece

O sol que termina.

A pura verdade sozinha não é capaz de explicar e expressar tudo.

Assim justificam-se as fantasias e o surrealismo.

Mais um dia especial.

Obrigada. Thanks. Merci. Gracias.


Deixa o sol entrar...

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Metáfora






Tentando voar.

Lutando para libertar.

E o que me importa?

sábado, 30 de maio de 2009

Chá & Doces Sonhos


A temporada de sonhos reiniciou.
Será o chá que tomo todas as noites antes de dormir, já recostada e sentada na cama, o responsável pelos doces sonhos noturnos?
É possível que seja ele o inspirador dos pensamentos novos e das idéias de liberdade?
Talvez tenha sido aquele Chá Misto Doces Sonhos Dr. Oetcker, tomado naquela especial e especifica noite...
Parece que sim!

terça-feira, 26 de maio de 2009

Museu: minha história, meu mundo.

Ar gelado e emoção aflorando de maneira inexplicável.
Súbita sensação de completude e de encontro com a própria alma.
Vontade de ficar e lá se hospedar.
Aroma de casa de avó e aconchego de dar dó.
Objetos e livros que falam por si só.
Ambiente de vida própria e magia no ar.
Parece que esse é mesmo o meu lugar.
Viver de memória.
Viver de história.
Ah, não posso jamais abandonar o que faz meu olho brilhar.
Um dia, quiçá serei parte deste todo, que é muito mais que parte de mim!


- Singelas palavras lembrando a já ocorrida 7ª Semana Nacional de Museus. É assim que me sinto neste local que para mim será eternamente sagrado. Não são meras palavras. São minhas sensações!

sábado, 23 de maio de 2009

Esplêndidas exclamações

Parecia mesmo um sonho.
Mas não fazia sentido.
Refletia sozinha: com seus pensamentos, medos, aflições, ilusões, desejos, devaneios e lágrimas.
Veio então a sensação de liberdade e de prisão por própria vontade.
Descobriu que cativara.
Sentiu-se protegida e a fragilidade que sempre a acompanhara agora parecia ser sua própria salvação.
A reciprocidade era seu consolo, força e escudo.
Contemplação e interação.
Tudo então soava diferente.
Nada, nem ninguém poderia aniquilar as lembranças e marcas que agora habitavam seu coração. Que vontade de cair em prantos e de sair correndo e gritando, sentia.
A solidão era vital: acalmava, clareava.
Voltou-se ao céu e agradeceu por cada uma daquelas horas, palavras proferidas, sorrisos, brincadeiras e carinhos.
Naquele exato momento suas lágrimas caiam como raros e preciosos diamantes, legitimando cada segundo vivido e sentido da maneira mais intensa e profunda que era possível.

sexta-feira, 22 de maio de 2009


"Pienso que un sueño parecido no volverá mas

Y me hizo a volar en el cielo infinito"

[Volare]

Precisava registrar isso aqui!
Bons sonhos a todos.

terça-feira, 19 de maio de 2009

Piruetas

E quando achamos que estamos compreendendo, vem um vendaval, ou mesmo uma leve brisa e traz a dúvida!

As pessoas assustam
As revelações chacoalham
A expectativa faz voar alto demais
A esperança ressurge
A dúvida persegue
E uma única descoberta:
Há muito que aprender!

Talvez ainda seja uma menininha por trás dos livros, engatinhando em direção ao futuro!

domingo, 17 de maio de 2009

Sentindo

auto-conhecimento - sensações - mental - confidências

coração - medo - três - saudade

amores - noite - vento - janela -

cama - confiança - socorro - liberdade

descobertas - história - frio - memória - reflexão

VIDA


Existem coisas que realmente não se explicam! Mas é bom e faz bem!
Cá estão as boas novas. Basta vivê-las. Muito obrigada !

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Solidão acompanhada

E chega a época em que Bibiana descobre que sua própria companhia é uma das melhores.
Ontem chegou cedo na faculdade, encontrou por acaso uma grande amiga e recusou o convite para ir até o barzinho de nome criativo. A amiga insistiu, a chamou de maluquinha, mas respeitou sua vontade.
Bibiana realmente queria ficar consigo mesma e com suas músicas. E como se não bastasse, ao olhar para seu lado esquerdo, viu ao longe mais uma de suas amigas. Por incrível que pareça, torceu para que não a visse, ficou imóvel.
Resolveu então ir para um local mais escondido. Foi caminhando rápido... Sentou-se em um banco isolado, ao lado de uma escadaria. Sentia então o vento gelado em seu rosto e balançava o pé direito no ritmo da música que escutava. Estava tão longe, finalmente... Entre veludos e sedas...
Ouviu então ao longe, seu apelido sendo pronunciado. Assustou-se. Olhou a frente e era ela: a única pessoa com quem, naquele momento, gostaria realmente de conversar. O rosto de Bibiana iluminou-se com um sorriso. Ficaram ali sentadas no banco conversando, depois saíram a caminhar... Surgiu um convite para o início da semana seguinte, algumas combinações e confidências.
Era tudo o que Bi estava precisando naquele momento! Despediram-se e o vento gelado beijava seus cabelos. A música estava então em volume mais alto! O sorriso e a alegria eram perceptíveis a partir daqueles instantes. Bibiana convenceu-se mais uma vez de que existem encontros de almas durante a vida. Isso se comprovava novamente. Agradeceu no silêncio do seu íntimo!

Amor de verdade, amor de amizade!

terça-feira, 12 de maio de 2009

Lá vem ela...

Ela chegou, sim, a chuva veio.
E com ela a vontade de desbravar novas terras, cantarolar e gritar.
O barulhinho soa como promessa.
Que vontade de desvendar o mistério.
Que desejo de ficar imóvel para ver no que dá.
Mas e a vontade de sair correndo e alarmar?
Nosso silêncio é um véu de seda ou voal.
O infinito é todo nosso.
Sinto-me aconchegada em meu mundo, em minhas lembranças, em meus pensamentos, em minhas pessoas.

Sinto boas novas a caminho!

sexta-feira, 8 de maio de 2009

E quando eu estiver triste...

"E quando eu estiver triste
Simplesmente me abrace
...
Mas quando eu estiver morto
Suplico que não me mate, não
Dentro de ti, dentro de ti"


[Sutilmente - Skank]

Que montanha-russa essa vida!
Lágrimas caem em um alvo rosto.
Que dor e que alegria.
Que vontade de chorar e de sorrir.
E quando eu estiver feliz, se esforce para me fazer ainda mais feliz!

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Desejando a chuva

Ela quer chuva.
Ela precisa de chuva para...
Lavar a alma
Irrigar o coração
Regar os pensamentos
Ensopar a imaginação
Embeber a insanidade
Encharcar os sonhos
Alagar as idéias.

A secura a corrói
O medo a devora
Mas a esperança a sacode.

terça-feira, 5 de maio de 2009

Aquela estrelinha


"Às cinco eu vejo aquela estrelinha"

(Vai Valer - Os Paralamas do Sucesso)

Não é bem as cinco, talvez um pouco mais tarde. Mas eu vejo, vejo sim!

Que perigo seria se eu saísse correndo, gritando, cantando, toda vez que me desse esse ímpeto!




É um pouco sozinha

"É o mistério profundo, é o queira ou não queira
É o vento ventando, é o fim da ladeira..."

Águas de março - Tom Jobim


Os dias têm sido alegres, e essa alegria está em mim e não nos outros.
E parece mesmo que alegria atrai alegria.
Amigos têm expressado através de palavras escritas, o seu carinho e amor.
As leituras parecem ter sido feitas para mim.
Os momentos só têm me feito muito bem.
Pessoas importantes, de maneira surpreendente, têm mostrado que me observam e que conhecem meus gostos.
Às vezes parece déjà vu.
Os sonhos noturnos têm voltado.
As mudanças internas seguem, exigindo (?) adaptações.
E é tão bom que dá até medo.

"É a promessa de vida no teu coração!"

quinta-feira, 30 de abril de 2009

Epifania?!

"Epifania é uma súbita sensação de realização ou compreensão da essência ou do significado de algo. O termo é usado nos sentidos filosófico e literal para indicar que alguém 'encontrou finalmente a última peça do quebra-cabeças e agora consegue ver a imagem completa' do problema. O termo é aplicado quando um pensamento inspirado e iluminante acontece, que parece ser divino em natureza."

(Fonte: Wikipédia)

Será mesmo uma epifania?
Talvez uma catarse!

segunda-feira, 27 de abril de 2009

Imagination


“O Mundo cresceu tanto para mim que quase Santa-Rosa se reduzira a um quase nada ... Homem, senhor do meu destino”

José Lins do Rego

E o mundo desta que vos escreve cresce a cada dia em uma velocidade que surpreende.

Penso tanto que quase enlouqueço e essa loucura traz uma sensação alucinantemente boa.


Agora aguardo a chuva e o vento.
Acordo com muitos planos.
Durmo com muitos sonhos.


quinta-feira, 23 de abril de 2009

Constatação

"Quando eu mudo, o mundo muda."

Brahma Kumaris

Essa frase faz cada dia mais sentido na minha vida.
E chega a assustar.
Às vezes tenho medo de mim!

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Enquanto isso...

A vida está em ritmo acelerado.
Minha mente está dividida entre cotações de passagens aéreas, Revolução Russa, a Grande Guerra, los complementos, o Turismo no meio rural, a culturalização da paisagem, os museus étnicos, a Microeconomia, viagens e tantos outros pensamentos. Trabalhos, metas, reportagens, provas, projetos, oficinas...

Tudo pré-agendado. Será?
Ah, e não esqueci do lazer, ele também está pré-agendado.
Não há do que reclamar.

E as mutações seguem, assustando até mesmo alguns que pensavam que conheciam aquela com quem convivem há tantos anos.

Um belo dia resolvi mudar!
E você?

Regalitos, recuerdos.

Um dia desses fui procurar um papel no meu quarto e acabei encontrando minha Caixinha de Recordações. Desisti de procurar o papel, esqueci de tudo quando abri a caixa.

Nela tenho guardado bilhetes, cartas, papéis de chocolate, figurinhas com dedicatória, guardanapos e tantas outras coisinhas pequenas no tamanho, amareladas, danificadas pelo tempo, mas repletas de significado para mim.

Foi inevitável conter a emoção relendo e revendo o que continha na caixa.
Depois de remexer em tudo aquilo, fiquei a pensar: não posso perder totalmente o hábito de escrever recadinhos em papel. Mesmo que as pessoas coloquem fora, acredito que ainda existem aquelas que guardam e que um dia irão achar, reler e lembrar dos bons momentos. Minha caixa não traz só palavras bonitas e declarações de amor e amizade. Existem nela também palavras engraçadas, que só fazem sentido para mim e para quem me escreveu...

Confesso que já não escrevo mais tanto para meus amigos. Acabo culpando o tempo e quando escrevo, termina sendo um e-mail, scrap ou depoimento. Coisas virtuais que se apagarão!

Com isso, me questionei também quando foi a ultima vez que escrevi algo palpável e entreguei para alguém. Percebi que não perdi totalmente o hábito: foi na Páscoa. Presenteei uma pessoa muito especial com um coelho de pelúcia e uma carta.

Para mim não basta ter uma Caixinha de Recordações na mente e no coração. Me agrada a idéia de saber que a minha caixinha está dentro do armário, já rasgadinha, amarelada, permitindo apesar do tempo, dos distanciamentos e das perdas, ter perto de mim lembranças "vivas" das pessoas que passaram pela minha vida e deixaram, literalmente, lembranças!

Contudo, o que vale é demonstrar o carinho que temos pelas pessoas, seja da forma que for.

E a propósito, você lembra de quando e para quem foi o último bilhete/carta/recado que escreveu?

terça-feira, 14 de abril de 2009

Sempre mais

O dia ficou nublado. Rafaela não sabia mais se era o começo ou o fim. Estava triste pela forma com que terminaram a conversa ontem. Mas ao mesmo tempo perguntava a si mesma: havia motivos para ficar triste? Já tinha recebido tantas provas de carinho e atenção nos últimos dias... Sim, sua consciência, seu lado racional dizia isso. Mas ela queria mais. Sempre mais. Eterna insatisfeita.
A noite caia, já era tarde. Deitou e pensou novamente em tudo isso. Fez então o propósito de esperar, quietinha no seu canto. Nada de telefonemas, nada de provocar encontros e nem de escrever e-mails, pelo menos por algumas semanas. Hora de recuar.
Será que ela agüenta?
Enfim adormeceu, com esperanças de ter bons sonhos.
Amor, carinho, ou idéia fixa?
Nem Rafaela sabe!

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Idéia fixa

Há não muitos posts atrás, citei minhas aulas de Literatura Brasileira, do Ensino Médio. Nos últimos dias tenho lembrado-me muito delas.
Sábado, sem mais nem menos, esbarrei na professora destas memoráveis aulas.
Emocionante. Uma das minhas mães do coração.
Acabei descobrindo que hoje é seu aniversário.
Parabéns a esta que compartilha comigo sua paixão pela Literatura Brasileira Clássica e que se emociona comigo, sentindo as palavras que lemos.

*

Analogia às minhas idéias fixas.

"A minha idéia, depois de tantas cabriolas, constituíra-se idéia fixa. Deus te livre, leitor, de uma idéia fixa; antes um argueiro, antes uma trave no olho.
Era fixa a minha idéia, fixa como... Não me ocorre nada que seja assaz fixo nesse mundo: talvez a lua, talvez as pirâmides do Egito, talvez a finada dieta germânica. Veja o leitor a comparação que melhor lhe quadrar, veja-a e não esteja daí a torcer-me o nariz, só porque ainda não chegamos à parte narrativa destas memórias. Lá iremos. Creio que prefere a anedota à reflexão, como os outros leitores, seus confrades, e acho que faz muito bem. Pois lá iremos. Todavia, importa dizer que este livro é escrito com pachorra, com a pachorra de um homem já desafrontado da brevidade do século, obra supinamente filosófica, de uma filosofia desigual, agora austera, logo brincalhona, coisa que não edifica nem destrói, não inflama nem regala, e é todavia mais do que passatempo e menos do que apostolado.
Vamos lá; retifique o seu nariz, e tornemos ao emplasto. Deixemos a história com os seus caprichos de dama elegante."


Memórias Póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Borboletas na minha janela


Registro feito por mim, da visita de uma borboleta em meu quarto, num dia de sol.

Há borboletas rondando minha janela. Lindas borboletas!

A imagem fala por si só.



segunda-feira, 6 de abril de 2009

Palavras apenas

Final de semana tranquilito no más...
Muitas leituras, muitos pensamentos e tranquilidade, apesar do turbilhão.
Contraditório?
Talvez...

Ontem Novo Hamburgo completou 82 anos.
Como ando vivendo de História, torna-se inevitável citar este fato.

E para quem possa interessar, reitero que minha alma tem vivido de História, Turismo e Literatura Brasileira. As leituras têm me feito companhia em uma fase que sinto necessidade de ficar só. O fascínio pelos livros e pelas palavras é crescente, o que me faz lembrar das aulas de Literatura Brasileira, que iniciaram deveras, no Ensino Médio e provocaram encantamento, me fazendo suspirar .

"Minhas desequilibradas palavras são o luxo do meu silêncio."
Clarice Lispector

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Minha vida, meus mortos, meus caminhos tortos

Ontem me perguntaram assim: "Vanessa, tu tens 19 anos?". Respondi que sim. Até aí, tudo bem! Logo em seguida, a pessoa tornou a dirigir-me uma pergunta: "Então vais fazer 20, neste ano?"

Nossa, tenho consciência de que tenho 19 anos, mas não de que farei 20. Você pode estar se perguntando: qual é a diferença? E: será que ela faz aniversário amanhã? Que desespero é esse?

Não, faltam alguns bons meses ainda e não estou desesperada, mas...

Praticamente duas décadas de existência! Tempo suficiente para ter histórias para contar, fatos para relembrar... O bom e velho saudosismo de sempre!

Vinte anos! Menos tempo do que durou a Grande Guerra, mas mais tempo do que muitos casamentos e amores duraram...

Longe de mim estar me sentindo velha, mas não vou negar que fiquei relembrando muitas coisas.

E bem sei também que números não fazem tanta diferença assim. Após mais um aniversário, no dia seguinte, o que muda? Nada. Essas coisas da vida, dentro da gente, não costumam mudar da noite para o dia. São modificações graduais.

Mas fica aqui o registro de que assustei com o tempo. O tempo e o vento!

E você, o que me diz?

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Meus olhos interrogam seus olhos


"Não há remédio certo para as dores da alma; esta senhora definha, porque lhe parece que a não amo; dou-lhe o Rio de Janeiro, e consola-se. E porque era homem estudioso tomou nota da observação."

O Alienista - Machado de Assis

Acabei de ler este livro. Após este trecho, parei e refleti.
A felicidade é realmente estruturada em momentos isolados da vida. Sabemos que não há felicidade absoluta, plena. Ás vezes sentimo-nos infelizes, sós... e uma notícia, um acontecimento, uma pessoa, tem o poder de devolver-nos o brilho dos olhos e o sorriso radiante.
[O Grito - Edward Munch]

Será tudo tão efêmero?

Aos que se interessam por leituras que envolvam psicologia, fica a dica do livro.


Será a Casa Verde meu refúgio e meu fim?

Meus olhos interrogam seus olhos!

terça-feira, 31 de março de 2009

Viva La Vida

"It was the wicked and wild wind
Blew down the doors to let me in
Shattered windows and the sound of drums
People couldn't believe what I'd become"

Viva La Vida - Coldplay

O final de semana foi realmente memorável.
E assim, dia-a-dia, a cada conversa, a cada olhar, a cada leitura, vamos nos construindo e reconstruindo. Pois eu não sou a mesma Vanessa de ontem, e muito menos, a mesma da semana passada!

Que o entardecer revele os encantos de mais esta noite!

Boa semana.

quarta-feira, 25 de março de 2009

"Ai flores, ai flores do verde pino"


Ando um tanto desligada. Não ouço quando me chamam. Não presto atenção em tudo o que me dizem. Não tenho receio de tele transportar meu pensamento para lugares distantes durante conversas desinteressantes. Meu pensamento tem sido tão meu... O hábito de olhar meus olhos no espelho da alma tem provocado tempestades e enxurradas de sentimentos.

O pranto e o riso têm andado lado a lado. Os planos têm dado lugar aos grandes sonhos. A vontade de ir embora tem dado espaço a vontade de me refugiar dentro de mim mesma e dentro dos poucos que, com sua presença, sua fala, seu olhar, tem o verdadeiro poder de enfeitiçar, encantar e abrandar.


"As flores de plástico não morrem"

Flores - Titãs

Mas as flores naturais, ah... essas morrem. Morrem despedaçadas, mas com a naturalidade, doçura e singeleza com que sempre viveram.

segunda-feira, 23 de março de 2009

Dreams?



I just woke up from a fuzzy dream
You never would believe those things that I had seen

Miles Away - Madonna


Obra: "Girafa em Chamas" - Salvador Dali


Sonhos confusos. Desejos confusos. Pensamentos confusos. Pessoas confusas. Vida loca, muy loca. Inglês, Espanhol... Mistura! É isso que sou, uma mistura!
Que venha alguma coisa para acalmar um pouco essa loucura (mas só um pouco)!

"De tanto imaginar loucuras..."
Mania de Você - Rita Lee

Obrigada, meu querido, por tudo até hoje, principalmente por sábado e ontem. Prodígio (sempre).

Post confuso! Blog tolo.

Me voy, ahora!

Abrazo

quinta-feira, 19 de março de 2009

Aquele abraço


O valor de um abraço num momento de fragilidade.

O valor de olhar nos olhos e permanecer em silêncio, pois palavras são totalmente desnecessárias.


"Espero com a força do pensamento
Recriar a luz que me trará você"
*
Obra: Casal Caminhando - Vincent Van Gogh

quarta-feira, 18 de março de 2009

Pelo mundo

Seguindo a temporada de agradecimentos, agradeço a Deus, a meus pais e a toda e qualquer pessoa que de alguma forma, mesmo que indireta, tenha me incentivado e colaborado dando-me a oportunidade de estar no Turismo.

Cada centavo, cada minuto empregado está valendo à pena. Dedico o post àqueles que valorizam e consideram o Turismo como um importante segmento e inclusive, aos que acreditam ser inútil e dinheiro posto fora!

"O Turismo vai além dos sonhos e conquista o verdadeiro significado da vida"

Que conhecer novos lugares continue sendo uma das prioridades!

Que a viagem da vida seja intensa e longa.

Apertem os cintos, acomodem-se.

¡Buen viaje!

terça-feira, 17 de março de 2009

Nem um dia


"Um dia frio
Um bom lugar para ler um livro
E o pensamento lá em você
Eu sem você não vivo
Um dia triste
Toda fragilidade incide
E o pensamento lá em você
E tudo me divide
...
E tudo nascerá mais belo
O verde faz do azul com o amarelo
O elo com todas as cores
Pra enfeitar amores gris"

Nem Um Dia - Djavan

*
Essa chuva que cai emitindo um barulhinho tão bom, esse friozinho gostoso, esse ventinho que beija os cabelos, esse sentimento que me envolve desde o momento que abri meus olhos nesta manhã... Tudo tão inspirador! Tudo o que preciso é de um bom lugar para ler um livro e de um silêncio que me permita decolar, ter miragens e delirar.

A fase sentimentalista ao extremo insiste em permanecer neste blog!

Que os conflitos internos de todos nós sejam amenizados pela vontade de ser feliz. Que a esperança ressurja a cada dia, em forma de doses homeopáticas. Que aqueles que têm a honra de serem amados por nós percebam isso e valorizem. Que não nos esqueçamos de cuidar de nossos jardins. Que a vontade de sumir seja menor que a vontade de fazer valer à pena. Que sejamos para o resto de nossas vidas seres inquietos e conflitantes. Que as contradições sejam eternas. Que mudemos, para que o mundo mude.


¡Que tengan un buen día!

segunda-feira, 16 de março de 2009

Sentimentalismos de uma sentimentalóide

Depois de um final de semana muito bom (fazia tempo que não vivia um tão bom assim) que iniciou na sexta-feira de noite, lá pelas 22h15 e encerrou ontem ao adormecer, volto a escrever algumas linhas.

Aproveito este espaço que parece me pertencer, para dedicar este post e agradecer a todos aqueles que fazem parte da minha vida e que são realmente especiais. Obrigada aos mais experientes, que dão conselhos (úteis e com carinho). Aos que quando estou prestes a desmoronar, me abraçam forte e me olham nos olhos com verdade e carinho. Aos companheiros de farra que cantam e dançam comigo até o amanhecer, sem julgamentos e malícia. Aos que me conhecem (não importa a quanto tempo contado no calendário, mas que vivem com intensidade a cada momento) e que ao me olhar nos olhos podem sentir como eu estou. Aos que gostam da minha companhia, pelo simples fato de gostar. Aos que se preocupam com o meu bem-estar. Aos que são capazes de segurar na minha mão, num gesto de puro carinho. Aos que me dizem "Vá, tu é louca", demonstrando que realmente me conhecem e gotam de mim da maneira que sou. Aos que "embarcam" em discussões de horas comigo seja sobre a vida, sobre o futuro, ou sobre turismo (e esses são grandes heróis, pois são poucos que aturam). Aos que ao me ver, dizem do fundo do coração: "Que bom que tu estás aqui!". Aos que torcem pelo meu sucesso. Aos que acreditam que chegarei no topo. Aos que sentem saudade de mim. Aos que procuram me entender. Aos que têm paciência comigo. Aos que me fazem sorrir. Aos que têm sensibilidade. Aos que me conhecem a anos e aos que desejam me conhecer aos poucos. A todos aqueles de que me lembro todos os dias. Aos mais presentes em minha vida! Aos que são presentes da minha vida!

Aos que suportaram ler até o fim este post deveras sentimentalóide, mas sincero.
Fiquem a vontade para comentar. O último, por gentileza, apague a luz.


"Quando se quer bem a uma pessoa a presença dela conforta. Só a presença, não é necessário mais nada."
Graciliano Ramos

*-*
¡Hasta la vista!

sexta-feira, 13 de março de 2009

A Mão e a Luva

“Ajustavam-se ambas, como se aquela luva tivesse sido feita para aquela mão.” A Mão e a Luva – Machado de Assis

Não sei por que decidi colocar no post essa frase retirada de um dos romances do célebre Machado de Assis. Talvez por que gostaria que fosse assim, que as coisas e pessoas mais importantes de nossas vidas e nós, tivéssemos um ajuste mútuo, como a mão e a luva. Vamos sonhar. Quero sonhar. Que assim seja! Grande Machado de Assis.

Sonhos, filosofias, papos de maconheiro e etc. e tal a parte: hoje é sexta-feira!
Fim de semana chegando e programação na mente. Tomara que neste fim de semana, o que eu planejo dê certo!

Planos... para que servem planos? Fica o questionamento!
Chegará o dia em que estarei mudo: e mais nada!



quinta-feira, 12 de março de 2009

Considerações

Ontem, depois da aula fiquei mais empolgada. Parece que as coisas vão melhorar e não terei que abandonar meu desejo de seguir estudando Espanhol. Tomara que dê certo. E além do mais, quando recebo conhecimento, sempre sinto grande satisfação e me motivo a ir adiante. Digo e repito: adoro a faculdade.

Aproveito o espaço para parabenizar minha grande amiga Thais, meu jardinzinho (mesmo sabendo que ela não lerá isso), pelo seu aniversário.
Previsão de chuvas isoladas amanhã. Que a chuva traga esperança, alegria, boas risadas, motivação, inspiração.

"Hoje eu quero sair só" - Lenine

See you! ¡Hasta la vista (sem o baby)!

quarta-feira, 11 de março de 2009

Lembranças

"Por isso cuidado meu bem

Há perigo na esquina

Eles venceram e o sinal

Está fechado prá nós

Que somos jovens...

...

Já faz tempo

Eu vi você na rua

Cabelo ao vento

Gente jovem reunida

Na parede da memória

Essa lembrança

É o quadro que dói mais...

Minha dor é perceber

Que apesar de termos

Feito tudo o que fizemos

Ainda somos os mesmos

E vivemos"



Vazia. Oca. Esperando. Sempre esperando, mesmo sem querer!

sexta-feira, 6 de março de 2009

Telegrama?

"Eu tava triste, tristinho! Mais sem graça que a top-model magrela na passarela. Eu tava só, sozinho... Mas ontem eu recebi um telegrama! Era você de Aracaju ou do Alabama... Vamos sair para ver o sol..."

Telegrama - Zeca Baleiro

Postei esse trecho por que é bem assim mesmo que estava ontem. Preocupada, angustiada e triste, sentindo-me sozinha. Mas de repente eu recebi não um telegrama, mas um e-mail, convidando para sair no fim de semana. Ganhei o dia, a semana e principalmente: o fim de semana! Incrível como um simples e-mail com um convite para um café, tem o poder de mudar tantas coisas.
Sempre a complexa mente humana complica tudo, cria fetiches e dá um valor maior que o próprio valor do ato. Fantasias. Delírios. Até quando vou fazer assim?

*

"Faz pouco que te conheço, mas parece tanto tempo.
De tanto pensar em ti, vives no meu pensamento.
Já cansei de tanta espera, não agüentava o tormento..."

Por enquanto, é isso! ¡Hasta el próximo post!

quinta-feira, 5 de março de 2009

Alguém me interne no paraíso

"Minha força está na solidão. Não tenho medo nem de chuvas tempestivas nem de grandes ventanias soltas, pois eu também sou o escuro da noite."
Clarice Lispector

Ontem, depois de mais um dia de turbulências no trabalho, cheguei em casa cansada. Cansada mas não triste ou aborrecida. Apesar de tudo, bem. Quando passava das 21h30min, faltou luz. O calor era tremendo. No início, confesso que fiquei irritada. Mas depois de algum tempo, pude perceber que a lua iluminava a rua. Fiquei ali por horas. Matei mais um pouco da saudade de mim mesma. Senti-me coberta pela lua e pelos encantos da meia-luz. Parece mesmo que "eu também sou o escuro da noite".

*

"... Gosto das idéias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes… tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos."
Clarice Lispector

A cada dia que passa, a cada momento só, posso perceber que gosto das idéias mais insanas, dos pensamentos mais complexos. Por que o mais complexo? E também, por que o incomum? Por que Literatura Brasileira Clássica? Por que as palavras mais complexas do dicionário? Por que as teses de doutorado? Por que Espanhol e não Inglês? Por que a chuva e não o sol? Por que o chimarrão e não a Coca? Por que o café e não o chá? Por que a pessoa mais louca e não a mais normal? Por queee? Quetiono-me!

Os sentimentos mais fortes sempre. Os sofrimentos mais fortes. Os delírios mais loucos. Os devaneios.

Alguém me interne no paraíso!

segunda-feira, 2 de março de 2009

Inspiração!


"Tenho medo do escuro, dos fantasmas da minha voz" - Vanessa da Mata

Bom, começo dizendo que discordo com essa frase, pelo menos no momento que estou vivendo agora. Descobri que preciso escutar a minha voz interior. Preciso dar espaço e tempo para que ela se manifeste e eu poça escutá-la.
Ontem, depois de várias cuias de mate amargo e horas de conversa na varanda com meu pai, (conversa essa sobre a vida, os sentimentos humanos, a complexidade e subjetividade de cada um) senti necessidade de ficar só.
Fui para meu quarto, deixei-o ficar na temperatura de 18ºC, me cobri, liguei meu MP4 e comecei a vagar em meus próprios pensamento e devaneios.
Como me fez bem aquilo. Parece que realmente preciso de tempo para colocar minhas idéias em ordem. Sei que todos precisam, mas acredito que às vezes acabamos não dando valor a esses momentos.
Ao contrário da frase com que iniciei o post, minha voz interna vinha com "cânticos", ao invés de fantasmas.
Fiquei horas assim, daquela maneira. Tive muitas idéias, foi realmente muito inspirador.
E sei que o silêncio da noite e o barulhinho bom da chuva, colaboraram para isso.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Renovada!

"Quem sabe ainda sou uma garotinha, esperando o ônibus da escola..." (Cássia Eller)

Pois é, a ansiedade sempre aparece quando no relógio, se aproxima o horário da primeira aula! Isso que o mesmo (será o mesmo?) ritual acontece há cinco semestres. O dia, ou melhor, a noite foi ótima ontem. Revi pessoas muito, mas muito significantes mesmo para mim! Promessas de cafezinhos, encontros e tudo o mais.
Devo confessar que a preguiça de retornar as salas de aula realmente me assombrava. Mas, porém, todavia, entretanto e etc. e tal, durou somente até o momento em que entrei na sala de aula, vi meus colegas, meu professor, sentei naquela cadeira e respondi a chamada. Incrível (às vezes até eu mesma duvido disso) como ainda (e sempre) me fascina este mundo acadêmico. Leituras informativas. Colegas que sabem o que querem. Professores bem-humorados e abertos. Trocas de idéias. Amizades diferentes das outras. Saídas de campo no sábado de manhã com um baita óculos escuro na cara, depois de dormir apenas duas horas na noite anterior, afinal de contas: era sexta-feira. Intervalos de 15 min a noite (observando a lua). Conversas muito produtivas. Noites sem dormir, inquieta, pensando em algo que foi dito na aula. Iniciar o semestre com uma idéia pré-concebida na mente e terminar com milhares de idéias muito diferentes daquela. Ficar horas procurando uma resposta para aquela pergunta, aparentemente tão relativa. Passar cinco dias no exterior como turistas...
A empolgação renasce em mim. Sei o que busco, sei que chegarei lá!
E o fim de semana bate a porta. O que fazer? Circo? Festa? Compras? Turismo? Ócio?

"É só o vento lá fora" - Legião Urbana

Veremos!

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Recomeço!

"Abra a sua válvula agora, a sua cápsula alma, flutua na superfície!..." - Alma - Zélia Duncan.

A válvula já está aberta, agora é esperar para ver! Hoje será o meu primeiro dia de aula. Quinto semestre.

Semestre novo, turmas novas, professores novos, expectativas novas, dúvidas novas, disciplinas novas, dias novos, ano novo, pessoas novas (?), lugares novos, motivações novas (?), buscas novas, amigos novos (?), sentimentos novos (?).

Mistéeeerio!Recomeçar! Abri a válvula, abri o coração, abri a mente (“você também é genteee” - Rsss). E que façam novas todas as coisas. E que venham as novas coisas, e as velhas também!Cinco noites. Cinco disciplinas. Cinco professores. Cinco turmas. Cinco semestres. Cinco sonhos? Nãaaaao, muitooooo mais!

Vamos que vamos!

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Cá estou!


Olá!

Pelo que tudo indica, entrei para este mundo dos blogs. Pretendo dividir algumas inquietações, pensamentos, experiências, dúvidas e o que mais surgir nesta vida. Espero conseguir mantê-lo atualizado depois do final das férias.

Por hora é isso. E que venham as novidades!

Siga o blog por e-mail